quinta-feira, 14 de setembro de 2017

As falsas notícias começam a ser tema.
Já li, sobre o assunto, interessantes artigos escritos por conceituados especialistas na matéria.
Em inglês, como convém (não tem expressividade cientifica dizer em português, dizem-nos alguns) designam-se por “fake news”.
Em alguns meios académicos, em sequência, já falam de “pós verdade”
Rapidamente surgiram os especialistas no tema.
Ainda bem, acrescento desde já, pois num tempo recente, não existiam “falsas noticias” e os que as procuravam desmascarar eram olhados de soslaio.
Dei, o meu contributo, como se pode verificar nesta amostra de exemplos:

É evidente que me sinto reconfortado ao verificar que tem amplitude mediática a denúncia das “fake news”:


Acalento a esperança que o debate que agora parece ganhar amplitude, possa contribuir para que em grande escala, as pessoas comecem a perceber que o que tinham como noticia (informação certa) em muitas situações mais não são que construções que visam determinados fins (bem maliciosos, na generalidade).

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Geografias
Hoje deixámos de ser europeus

A Europa pode ser um continente (será?) pequeno, mas é grande em significações.

Conforme a data, ele (o continente) pode variar no conjunto de países que o compõem (uns, integrá-lo-ão antes de 1989 (muro de Berlim), outros após essa data).

A Turquia, será europeia, consoante os ventos de levante.

A Rússia (parte dela) depende, os Urais são muito inconstantes na sua localização (esperemos que não).

As posições políticas dominantes sempre definiram a composição e esta, como sabemos, variou muito nos últimos anos por força do «desaparecimento» (é assim que é usual ouvirmos) da europa do leste.

E eis que de novo regressam à Europa, países que antes não tinham esse estatuto.

Resolvida a questão do «leste», com muita frequência ouvimos falar da europa como o conjunto de países integrantes da U.E.

O Bréxit vem mexer de novo nas fronteiras. O Reino Unido deixará em breve de ser europa…
E hoje, o homem com nome de esquentador, apresentou ao mundo uma nova configuração conforme noticia que se pode consultar através do link seguinte:http://www.jn.pt/mundo/interior/juncker-esquece-se-de-portugaleuropa-vai-da-espanha-a-bulgaria-8767425.html.

Eu, geoconservador me confesso, continuo a considerar como Europa o que no link seguinte nos é apresentado: https://pt.wikipedia.org/wiki/Europa   


Constituída pelos países constantes da lista que a Wikipédia nos apresenta: https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_Estados_soberanos_e_territ%C3%B3rios_dependentes_da_Europa

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Viragem à direita

Tenho esta tendência crónica de quase nunca estar integrado em maiorias  e de quase sempre discordar do que me é apresentado como amplamente consensual.
Dirá a maioria que se trata de uma patologia.
Pois.
Reafirmado o inúmeras vezes afirmado e assumindo-o, entendo por quase desnecessário dizer que não gosto do PR actual (do anterior nem me quero lembrar).
Não gosto do estilo frenético. Não gosto da presença obsessiva.
Também não gostava enquanto professor (corrijo: O Professor), ou seja (tivesse sido) o professor dos professores.
Sei que a maioria gostava do Professor e que gosta do PR.
Que lhes faça bom proveito.
Vem este escrito a propósito de o PR ter afirmado recentemente que, quando vira à direita, a direita nem repara.
Mas é perfeitamente compreensível.
Por um lado, porque não liga nem precisa, o pisca.
Por outro, porque não se trata de uma viragem propriamente dita, mas simplesmente de uma «adaptação» de tráfego à faixa mais à direita, da faixa direita onde circula.

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Lembras-te?

Há muito tempo, que não passava por aqui.
Desde março deste ano.
Não passava. Pronto. Sem explicações.
Mas, episódios pequenos, daqueles a que por vezes ninguém dá importância, mas aos quais eu dou - vá-se lá saber porquê - fizeram com que sentisse a necessidade de aqui voltar.
Na Festa - do Avante, claro - um amigo tentou lembrar-me de uma afirmação minha a propósito das eleições autárquicas de 2013.
Lembras-te de teres dito que não era possível a CDU ganhar as eleições (Em Évora)?
Claro que não me lembrei.
Lembrei sim, que julgo ter dito o contrário.
Mas, como ter dito uma coisa, ou ter dito o contrário não me parece questão relevante (para o momento) resolvi não contrariar o meu amigo.
Mas,logo que  me foi possível, consultei o «espojinho», mas nada encontrei sobre o assunto onde pudesse aferir uma ou outra afirmação.
Não faz mal, até porque não tenho pretensões a seguir a carreira de adivinho, mas fez bem porque voltei ao «espojinho» de quem já tinha saudades.
Mas, caro amigo, poderei provar-te que a minha opinião sobre o resultado não era a que afirmaste.
Prevenindo situações futuras e porque se aproximam novas eleições autárquicas, deixo aqui registado: sou de opinião que a CDU vai de novo ganhar as eleições para a Câmara Municipal, porque...merece.
Um abraço caro amigo.

quarta-feira, 15 de março de 2017

A verdade e as suas construções


A História estará repleta de episódios de construção de verdades. Sempre se soube que, para atingir um determinado fim, importava que primeiro, se criassem as condições para a sua ocorrência.

Em linguagem corrente, designar-se-á por «criar o ambiente».

Para intervir no Iraque, «criou-se o ambiente» e inventaram-se armas de destruição maciça, para os serviços secretos Franceses matarem Kadhafi, tiveram primeiro que criar as condições «ambientais» e assim, de igual forma, em muitos outros sítios e em muitas outras situações.

Atualmente o processo é um pouco mais refinado. Se antes consistia no «bombardeamento» da mentira, que se queria fazer massificar como verdade, hoje consiste na pulverização (continuando a usar linguagem bélica, talvez um processo semelhante às bombas de fragmentação) de inúmeras mentiras de forma a criar a confusão generalizada.

O resultado é uma opinião pública desorientada, sem qualquer interesse em apurar a verdade e assumindo que esta – a verdade - é a que for mais bem construída e mais difundida. A verdade (que não sabe o que é) não interessa ao cidadão comum.

Confesso que já dei por mim a pensar se serão reais algumas das personagens. Vejam-se o loiro americano e o loiro holandês. Tão parecidos em tudo, com traços e posses inumanas. São gente? A mim parecem robots.

E as massas  – nunca fez tanto sentido, este termo – passeiam-se alheadamente por entre esta fragmentação, perdendo continuadamente a sua capacidade critica e a sua sensibilidade social e humana.

É incrível ouvir expressões do tipo: «eu não quero saber. Vou votar para castigar» - no caso, o voto era no robot loiro holandês».

Mas castigar quem? Diga-se que há uma grande carga de masoquismo nesta atitude anunciada.
Se não consegue espetar o prego, castigue e dê com o martelo nos seus dedos.

Vamos aguardar para ver quem sai castigado das eleições holandeses de hoje.

Pressente-se que se começam erguer, de entre a poeira causada pelas bombas de fragmentação, homens e mulheres que ainda dão valor à verdade e que gostam dela a corresponder o mais possível ao real.
Aguardemos.

terça-feira, 14 de março de 2017

A insustentável leveza das consciências pesadas


O episódio em torno de uma pretensa conferência, numa faculdade portuguesa, promovida por alguém que vangloria Salazar, virou assunto, politicamente correto e amplamente divulgado.
Bradou-se contra o ignóbil crime de violação da liberdade de expressão dos organizadores.
Os comentaristas de cartilha dedicaram-lhe extensas linhas e profundas análises, sob eruditos títulos, alguns deles de subtil carga irónica, tipo: “assim se vê a democracia do pc” ou “tolerância dia sim, dia não”.
A estes juntaram-se alguns políticos.
Ou seja, a tolerância que defendem, tem de incluir o direito de os outros fazerem a apologia da eliminação da liberdade do direito à livre expressão. Tipo, oferecer a outra face depois da agressão, coisa que nem os proprietários intelectuais da expressão, fazem ou fizeram uso.
Entretanto, ficou hoje a saber-se que o Parlamento Europeu, aplicou aquilo que define como severas medidas disciplinares, contra o eurodeputado polaco que proferiu uma série de idiotices sobre as mulheres.
Mas porquê, porque não se interrogam os mesmos analistas de cartilha? As medidas do PE não são violadoras da liberdade de expressão do eurodeputado?
Claro que a proibição da apologia do fim da liberdade de expressão e a punição ao eurodeputado são medidas que se integram na mais elementar ação pela dignidade humana e pelo pleno exercício da liberdade de expressão.
Assumir a liberdade de expressão como um princípio absoluto, pode ser um importante contributo para o fim da própria liberdade de expressão.
A liberdade de expressão pode e deve ser condicionada pelo respeito absoluto pela vida e dignidade humana.
O facto de cada um de nós ser hoje (os que o são) homens livres, não nos dá ou dará o direito de sobre um próximo, perorarmos a belo prazer, atentando contra a dignidade a honra dele.
Os homens são livres quando respeitam a liberdade dos outros homens.
Não são livres, os que defendem o fim da liberdade (como bem geral e de uso responsável por todos) e os que consideram que entre homens e mulheres, os primeiros devem ter a primazia porque são seres mais inteligentes.

sexta-feira, 10 de março de 2017

Mulheres

Talvez porque a primavera se anuncia com uns dias quentes e cheios de sol.

Talvez porque para tal me deu na real gana.
Talvez por saudades.

Saio, talvez só por uns momentos, da longa hibernação a que me sujeitei.
Espero que o «espojinho» ainda esteja ativo.

Para escrever sobre mulheres.

Há dois dias distribuíram-se flores nas ruas das cidades. Mas não eram cravos.
Os homens preenchiam longas filas nas floristas.
As mulheres encheram os restaurantes ao fim do dia. Muitas saíram para a rua com cuidadoso esmero. Sobrancelhas, lábios, unhas, tudo muito bem produzido.
Vestiram as suas melhores e mais vistosas roupas.
Algumas.
Outras, foram para as fábricas trabalhar ao lado dos homens para desempenharem as mesmas funções e serem remuneradas por um salário inferior.
Ou saíram de casa às cinco da manhã, deixando os seus filhos sozinhos ou ao cuidado de avós velhos, para irem tratar das lides das casas e dos filhos de outras mulheres.
Outras, deslocaram-se para mais uma entrevista ou ao centro de (des)emprego à procura do trabalho que lhe falta.
Ou ficaram em casa, cuidando dos filhos e gerindo o quase nada para que chegue a quase todos.
E estas, que também gostam de flores, talvez ao fim do dia, alguém se lembre.
Talvez lhe baste um abraço cúmplice, do filho que regressa da escola ou do marido, companheiro e amigo regressando a casa.
Assim costuma ser nos outros dias, quando não são dias da mulher.
No dia das mulheres, as mulheres não passam todas, a ser mulheres iguais.
No dia da mulher, há mulheres que, tal como nos outros dias, vivem de superficialidades, arranjarão o cabelo, as unhas e as sobrancelhas. Irão jantar fora, com outras como elas.
Algumas enviarão sorrisos aos seus maridos que discursam e que falam da destreza das mulheres…quando em compras nos supermercados ou no papel exemplar de fadas do lar.
As mulheres de Temer e de Trump são mulheres.
Mas estas e todas as outras iguais, não são as mulheres que se evocam no 8 de Março.
Por isso, quando de novo vos oferecerem flores na rua ou quando marcarem novos jantares de mulheres para 8 de Março, não se distraiam.
Há mulheres e mulheres.

E a diferença não se atenuará, com quotas.

…porque será que tenho a sensação que andamos distraídos?!